lift,
bringen sie mir einen kaffee
ende der welt

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Arthur Rimbaud

Cocheiro Bêbado


Alacre
Vai:
Nacre
Rei.

Acre
Lei.
Fiacre
Cai!

Dama:
Tombo
Lombo

Dói.
Clama:
Ai!


Tradução de Augusto de Campos

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Gustavo Dourado

Cordel para Guimarães Rosa


No Grã Ser: tão: Veredas
Presença do Pentagrama
Terceira Margem do Rio
Romance, Poesia e Drama
Riobaldo- Diadorim...
Bi coto mia na trama ...

Coragem, amor, oração
Délivrance e destemor
Não é nada e é tudo...
Árdua epo.peia da dor
Atravessia do destino:
Vida e morte mais amor...

Indecisão e coragem
Medo e determinação
Anagrama: Alchemia
Processo de Iniciação
De Barbazu a Siruiz
Presente de Seô Habão...

São Francisco Urucuia
Trilhas do Grande Sertão
A Canção de Siruiz
Mexe com meu coração
Realidade fantaseia
Sonhos e caosmovisão...

Joca Ramiro Zé Bebelo
Hermógenes e Ricardão
Medeiro Vaz jagunceia
Garimpa veias do Sertão
TetragrammAton: Osiris
E o Signo de Salomão...

Siruiz bem gateado
Cavalga fenomenal
Galopeia pela vida
Com ares de maioral
Cavalo bom é difícil:
É cavalo magistral...

Conquista existencialma
Rio Baldio no Caminho
Redenção...Conhecimento
Luz alquímica do vinho
Renascimento Travessia
Encontro do eu sozinho...

Osiris enfrentou a Morte
No Hades esteve Orfeu
Riobaldo em seu cavalo
No cosmos de Prometeu
Odisséias pelos mundos
De Pã...Ulisses...Teseu...

Medeiros Vaz quer Justiça
Joca Ramiro: Amizade
Zé Bebelo na Política
Do Sertão para a cidade
A vida é um rio baldo
Que impõe dificuldade...

Diadorim é fascínio
Mistério dual idade
Dia-dor-(z)-im(ha) é luz
Símbolo de afetividade
Dia dóron Travessoa
Veredas da Eternidade...

Rosa travessia o tempo
Nos buritis da mensagem
Nos papiros da saudade
Fez um Magma na linguagem.
Transmutador das veredas:
Além da Terceira Margem.


Gustavo Dourado

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Liana Timm


Lição de Casa



Escrevo para ti

com esse mau gosto

e essa ausência de medidas

mais para incitar o sexo

Reitero hoje o que disse nunca

sobre a malícia

e descubro meu escândalo

perdido em viadutos

Em férias a paixão interditada


segunda-feira, 23 de novembro de 2009

JG de Araújo Jorge

Paradoxo

A dor que abate, e punge, e nos tortura,
que julgamos às vezes não ter cura
e o destino nos deu e nos impôs,
é pequenina, é bem menor, e até
já não é dor talvez, dor já não é
dividida por dois.

A alegria que às vezes num segundo
nos dá desejos de abraçar o mundo,
e nos põe tristes, sem querer, depois,
aumenta, cresce, e bem maior se faz,
já não é alegria, é muito mais
dividida por dois.

Estranha essa aritmética da vida,
nem parece ciência, parece arte;
compreendo a dor menor, se dividida,
não entendo é aumentar nossa alegria
se essa mesma alegria
se reparte.


quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Fred Matos


Allegro


as cordas do meu violão
tocam um só
sonolento acorde
só acordam
quando me acode
a lembrança do teu beijo

então elas toam desejos
numa melodia fantástica
que percorre toda a escala
em seqüência erótica
orgástica

ouço o timbre do piano
ouço a flauta de Atena
ouço a lira de Apolo
é perfeita a harmonia

a orquestra toca teu nome
no allegro da sinfonia.


terça-feira, 10 de novembro de 2009

Li T’ai Po (Rihaku)


Improviso


Nuvens

são

cambraias

Pétalas

tuas

faces

Brisa

que farfalha

nas varandas

altas

Cristaliza

orvalho

diamantes

de água

Se não posso

vê-la

nos píncaros

de jade

Sob a lua

ei-la

no pavilhão

de jaspe


tradução: Haroldo de Campos

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

poema chinês

Poema chinês compilado por Confúcio:

Ode 93

moça como nuvem
na porta este
como nuvem e este
coração resiste

lenço de seda cinza
veste de seda simples
só ela para mim
(tambor e címbalos!)
existe

moças como junco
no portão de ameias
como junco e junto
o coração desdenha

pano de cor garança
veste de seda branca
só ela me deixa
(vermelho garança)
tremor de beleza


Tradução Haroldo de Campos